Saneamento é saúde: Universalização do saneamento no Estado de SP poderia gerar ganhos sociais e econômicos de R$ 65 bilhões

Novo relatório do Instituto Trata Brasil comprova que os Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento Básico em São Paulo superariam em muito os custos dos investimentos

ITB economy

Setembro, 2017 – Após lançar o estudo sobre os Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento no Brasil, o Instituto Trata Brasil, em parceria com a Ex Ante Consultoria Econômica, publica o diagnóstico “Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento em São Paulo”. Ele quantifica os ganhos do saneamento básico nas áreas da saúde pública, turismo, valorização imobiliária, produtividade do trabalhado, entre outras. Diante de um país desigual em saneamento básico, o Estado de São Paulo em 10 anos (2005 a 2015) agregou mais 7,7 milhões de cidadãos ao serviço de abastecimento de água, saindo de 92,6% para 95,6% da população com acesso ao sistema. Em relação à coleta dos esgotos,foram mais 9,6 milhões de pessoas incorporados ao sistema, saindo de 78,7% e indo para88,4% da população. Os números de São Paulo são superiores à média nacional, segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS – ano base 2015). O país ainda tinha 34 milhões de brasileiros sem acesso à água, e quase 100 milhões sem coleta dos esgotos e somente 42% dos esgotos tratados.

RESULTADOS GERAIS:

Considerando o custo médio para se levar água e esgotos às moradias no Estado de São Paulo, o estudo estimou que para se chegar à universalização dos serviços serão necessários R$ 26,7 bilhões em 20 anos – a valores presentes e a preços de 2014 – ou seja, precisaríamos de um investimento anual mínimo de R$ 1,3 bilhão.

Em duas décadas, já descontando os custos da universalização, os ganhos econômicos e sociais trazidos pela expansão dos serviços em suas diversas áreas alcançariam R$ 64,9 bilhões. Isso significa que a universalização do saneamento traria ganhos expressivos para os paulistas, muito superiores aos custos da universalização.

Os cálculos permitem concluir que, na média do período que vai de 2015 a 2035, a cada R$1.000,00 que se investirá na expansão da infraestrutura de saneamento, a sociedade brasileira obterá R$ 2.426,00 de retorno social no longo prazo.

Fonte: Boletim Instituto Trata Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »